Boeing 727 (Kit Airfix 3183)

Escala 1/144

 

Por: Luiz Augusto König Lebsa

Fotos: Luiz Augusto e Heliandro

 

Disponível no mercado brasileiro há alguns anos, o modelo Airfix representa a versão "alongada" (modelo 200) do consagrado jato comercial Boeing 727, largamente utilizado em todo o mundo e no Brasil operado pela Vasp, Cruzeiro do Sul, Transbrasil e Varig, as três últimas utilizando a variante inicial 100, com menor comprimento.

A Airfix produzia inicialmente esta versão "curta", mas as matrizes foram modificadas para a fuselagem longa e hoje aqueles que desejarem ter um modelo desta aeronave terão que optar pela conversão.

 

A VARIG


Criada em 1927, teve como sua 1ª aeronave o hidroavião Dornier Wal que operava na "Linha da Lagoa" ligando Porto Alegre a Rio Grande. No início da década de 70, chegavam os 4 primeiros 727s (PP-VLD, VLE, VLF e VLG), que logo foram introduzidos nas rotas nacionais e sul-americanas da empresa. Estas aeronaves foram convertidas posteriormente em cargueiros e voaram pela empresa até o final dos anos 90.


O Avião


A produção do Boeing 727 iniciou nos anos 60 e findou em 1984. Foram vendidas 1.831 aeronaves (em todas versões). Estas transportaram em média mais de 13 milhões de passageiros. Os 727 da série 100, tinham capacidade para 117 passageiros em duas classes e 164 na série 100-C versão para passageiros e cargas ou apenas cargueiros.

 

DADOS TÉCNICOS
Envergadura: 32.92m
Comprimento da fuselagem: 35.41m
Altura: 10.36m
Velocidade de cruzeiro a 5.800m: 974 km/h
Teto de serviço: 11.400m
Distância de decolagem: 1.518m
Equipagem: 3 tripulantes e 5 atendentes
Capacidade: de 94 a 131 passageiros
Motores: JT8D de 14.000 lbs de empuxo, fluxo axial com 2 compressores.

 

O Kit


O kit da Airfix, escala 1:144, apesar de se tratar de uma injeção já antiga (1982), de um modo geral é de boa qualidade.
Seu plástico é na cor cinza. O encaixe das peças é bom (utilizei pouco putty). Os detalhes de fuselagem são em alto relevo. Removi as antenas por serem grandes e portanto, fora da escala. A escada ventral traseira pode ser montada na posição aberta, entretanto, sem nenhum detalhamento interno. As janelas são vazadas, porém, sem partes transparentes. O kit tem ainda, a reprodução do "Tail Bumper" que pode ser colado nas posições aberto ou fechado.
O manual de instruções é simples e conciso. As decais são para duas versões: PANAM ou LUFTHANSA. Desconheço a qualidade destes decais em função de ter construído uma aeronave bem mais conhecida nossa.


O Desafio


Decidi transformar o 727-200 em um 100 (por ser a versão utilizada pela VARIG), e o sofrimento teve inicio...
Munido de fotos e outras "doideiras" que achei na Internet, serrei a fuselagem, deixando-a no tamanho correto para dar prosseguimento ao resto do projeto.

 

 


A segunda preocupação foi como transformar o bocal do motor nº 3 de redondo em oval. Aqui sim, foi utilizado bastante putty, plasticard (ultra-fine), e muita lixa. O resultado ficou bem interessante.

 

Para deixá-lo ainda mais parecido com um 727, fiz uma pequena melhoria no nariz, aumentando-o um pouco mais.
Satisfeito com o novo visual, passei a fase da pintura; Inicialmente, o que parecia fácil (branco na parte superior e alumínio na inferior), tornou-se um pesadelo após ser aplicada a técnica da purpurina sobre prata automotivo.
O problema todo ficou por conta dos novos decais "wet-transfer". A idéia destes decais em ser retirado o filme após a aplicação é boa, entretanto, em certas partes (não me perguntem porque?), a serigrafia não adere de MANEIRA NENHUMA!
Assim, deve-se repetir o processo duas ou até mesmo 3 vezes. Por conseqüência, numa superfície com tinta metálica, esta termina ficando toda manchada pelo manuseio extra.
Na dificuldade, terminei por descobrir uma maneira muito fácil de reproduzir decais, pois, precisei fazer alguns para poder acabar a nave. Para isto, se faz necessário somente uma boa impressora (que também seja scaneadora), e uma folha clear para decais.

 


Para quem quiser se aventurar e ter um exemplar como este da VARIG aqui vão alguns conselhos que poderão ser úteis:
1. Trabalhe muito bem (com putty) as partes que foram emendadas, principalmente se você for aplicar verniz PU automotivo;
2. Ficará mais fácil se todo o kit for pintado de branco, decalcado (sem as portas) e, após, aplicar a pintura prata e dar o polimento com purpurina;
3. Outro detalhe que facilitará, é colar os motores laterais somente após decalcar;
4. Colar os estabilizadores como ultima etapa do trabalho.

 

 

Conclusões

Finalizando, acho que consegui bons resultados (após tanto trabalho) e espero que, aparecendo outro aventureiro, trabalhe buscando sempre idéias que auxiliem as necessidades comuns, despertando dessa forma, cada vez mais o interesse
pelo plastimodelismo.

 


__________________________________________________________________

Página Principal        Wonderland         Análises

__________________________________________________________________